Lombalgia

Dor Lombar ou Lombalgia e Lombociatalgia?

A dor lombar ou lombalgia relaciona-se apenas ao sintoma clínico e não especifica uma doença na coluna. A lombociatalgia é o sintoma no qual o paciente refere dor em região lombar associado a irradiação para o(s) membro(s) inferior(es).

O que é?

A dor lombar ou lombalgia refere-se ao sintoma no qual o paciente apresenta dor em região lombar, aguda ou crônica (mais de 3 meses) com a sua origem em alguma estrutura da coluna vertebral lombar.

A lombociatalgia é o sintoma clínico no qual o paciente apresenta dor lombar associada a irradiação para o(s) membro(s) inferior(es), no trajeto de uma raiz nervosa ou dermátomo, e está associado em geral a compressão de uma raiz nervosa. Deve ser diferenciada clinicamente da dor pseudo-ciática na qual o paciente tem dor até a altura do joelho e esta não representa, em geral, compressão nervosa e sim, inflamação das articulação zigo-apofisárias da coluna.

 

Como se desenvolve ou se adquire?

 

A dor lombar pode ter sua origem em qualquer estrutura que participa da formação ou do conteúdo da coluna vertebral, ou seja, discos intervertebrais, articulaçãoes zigo-apofisárias, raízes nervosas, corpo vertebral, ligamentos e musculatura paravertebral. Dessa forma, as causas de lombalgia são as mais diversas possíveis, sendo assim, pode ser consequente à doença degenerativa discal ou da coluna, hérnia de disco, fraturas vertebrais, doenças neoplásicas (tumores primários ou metástases), contraturas musculares entre outras.

A lombociatalgia tem suas causas semelhantes aos descritos para a dor lombar, porém associa-se a algum grau de compressão ou irritação inflamatória de uma ou mais raízes nervosas.

Como o médico faz o diagnóstico?

A dor lombar é referida pelo paciente, assim como a lombociatalgia. Cabe ao médico, realizar exame clínico para avaliar as causas mais prováveis para o quadro em questão.

Em alguns casos é necessário a realização de exames complementares que analisem a coluna, tais como a radiografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Em situações específicas, se faz necessário a solicitação de exames complementares mais específicos como a densitometria óssea, cintilografia óssea, mielografia ou mielotomografia, entre outros exames.

Como tratar?

O tratamento depende do fator causal da dor do paciente. Sendo assim, nos casos de hérnia de disco pode ser necessário apenas tratamento clínico e em alguns casos cirurgia. As fraturas vertebrais podem requerer intervenção cirúrgica e as doenças neoplásicas, além da cirurgia podem necessitar de tratamento complementar com radioterapia ou quimioterapia, a depender do tipo histológico do tumor.

Como previnir?

 

Nos casos de dor lombar causados por doenças degenerativas, que são os mais comuns, se faz obrigatório a prática de atividades físicas de rotina que incluam o fortalecimento, principalmente, da musculatura abdominal e lombar.

Nos casos de fraturas, a prevenção deve ser o combate à osteoporose para prevenir fraturas osteoporóticas e o trauma da coluna que pode acometer tanto pacientes saudáveis, quanto pacientes idosos ou portadores de osteoporose.

Para pacientes com doenças neoplásicas, a prevenção é feita com o tratamento da doença primária, para evitar metástases.

Fonte: http://www.drviniciusbenites.com.br/doenca-dor-lombar-ou-lombalgia-e-lombociatalgia.php